Newsletters

Comissária europeia diz que casos como o do Facebook "podem sair muito caros"

O Facebook está sob críticas nos Estados Unidos e na Europa após a revelação que uma sociedade eleitoral britânica, a Cambridge Analytica, explorou os dados de 50 milhões de usuários da rede social sem o seu conhecimento.


A comissária europeia da Justiça alertou esta quarta-feira que um futuro caso semelhante ao do Facebook pode sair "muito caro" a partir de maio, altura em que entra em vigor uma nova regulamentação europeia sobre proteção de dados pessoais.

"Se uma empresa fizer isso na Europa depois de maio de 2018, é muito provável que sanções drásticas sejam impostas", disse Vera Jourova, encarregada da proteção aos consumidores e dados pessoais, depois de uma visita a Washington onde ela se reuniu com várias autoridades locais.

O Facebook está sob críticas nos Estados Unidos e na Europa após a revelação que uma sociedade eleitoral britânica, a Cambridge Analytica, explorou os dados de 50 milhões de usuários da rede social sem o seu conhecimento.

Em 25 de maio, o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados Pessoais entrará em vigor na União Europeia, que reforça a proteção dos dados pessoais dos cidadãos europeus. Será aplicável a todas as empresas, independentemente da sua localização, incluindo fora da UE.

O regulamento não é retroativo, mas a comissária garantiu que tornará a União Europeia "o espaço ou o território onde a fraude custará muito, muito caro".

O regulamento aumenta o poder das sanções em comparação com a legislação atual, com fortes penalizações financeiras.

A comissária não se reuniu com nenhum representante do Facebook especificamente para discutir o caso durante a sua visita a Washington, embora tenha participado numa mesa redonda sobre outro assunto com um representante da rede social.

Ela disse que estava "impaciente" ao ouvir as explicações do Facebook. "Como é possível que as pessoas, sem o seu conhecimento, possam possa ser objeto de manipulações tão fortes?" questionou, garantindo que não quer situações dessas na Europa.

 

Fonte: TSF noticias


  •